SÃO PRECÁRIO NA CREW HASSAN

8 de Abril é Domingo de Páscoa. Não podia haver melhor data para a estreia em Lisboa de “O Evangelho Segundo Precário“, filme de Stefano Obino. Trata-se de um filme de ficção, cheio da realidade da precariedade laboral em Itália.

logoch.gif

É um filme especial, não só pelo tema, mas também pela forma como conseguiu financiamento para se realizar (ver entrevista no resto deste post).

A projecção, legendada em português, é às 21:30h na cooperativa cultural Crew Hassan (rua das Portas de Sto. Antão, 159, 1º – rua do Coliseu). Já agora: a Crew Hassan comemora o seu primeiro aniversário a 1 de Maio e vai participar na parada MayDay com a mesma energia com que mudou, num ano, a paisagem da intervenção cultural alternativa em Lisboa!  

 Entrevista com o realizador de “O Evangelho Segundo Precário”, Stefano Obino  

Como te ocorreu a ideia de fazer um filme sobre a precariedade? A ideia veio de uma conversa sobre o cinema italiano, e de como ele não reflecte os problemas sociais, mas apenas as relações pessoais. Pensámos que era importante falar sobre o problema da precariedade, porque é o maior problema da Itália nos dias de hoje. Abrange mais de quatro milhões de pessoas, jovens e menos jovens. E ninguém fala deste problema da maneira correcta, ninguém mostra a realidade. Quisemos fazer um filme que fosse um documento para expor esta situação. Mas não um documentário, porque algumas pessoas têm dificuldades de ver documentários, acham que são aborrecidos. Por isso, decidimos fazer um filme que mostrasse o problema de uma forma mais fácil, de forma a atingir mais gente.

Já trabalhaste num call center. Como foi a experiência com esse trabalho? Antes de me tornar realizador, passei por muitos trabalhos. Trabalhei em dois call centers, num restaurante… tive muitos trabalhos. Estive junto de muitas pessoas que são diferentes de mim. Eu tinha um sonho, o objectivo de vir a tornar-me nalguma coisa. O problema é quando as pessoas não têm esse sonho, quando pensam que aquela é a vida deles, e que se tem de viver assim a vida inteira. É difícil, para um jovem de 30 anos pensar no futuro. Foi o que vi, quando trabalhei como precário. Também para mim é um problema, porque os artistas não há trabalho fixo, não há segurança social para ninguém na Itália. É difícil ser um trabalhador flexível, trabalha-se dois ou três meses, depois pára-se e mais tarde volta a haver trabalho… Ficamos com buracos na nossa vida, sem dinheiro. E o governo não ajuda.

Sobre o filme. Apesar de ter um orçamento baixo, como é que conseguiram dinheiro para o fazer? Pedimos às pessoas, através do nosso site na Internet, que comprassem antecipadamente o filme, Custava dez euros e dava direito a receber uma cópia do DVD e ter o nome inscrito na parte final do genérico do filme. No início, conseguimos a adesão de apenas um grupo pequeno. Mas depois associaram-se também alguns sindicatos e associações que queriam falar deste problema de uma forma nova, o que permitiu reunir dinheiro suficiente para fazer o filme. Para ajudar a fazer o guião, pedimos no site que nos mandassem histórias que tivessem ocorrido envolvendo a flexibilidade e a precariedade. E assim escrevemos o guião e começámos a filmar. Nem todos os actores são profissionais. Algumas das personagens são pessoas que nunca tinham actuado mas que tinham uma experiência, algo muito forte a dizer sobre a precariedade.

Que audiência conseguiram? Foi um verdadeiro milagre. Fizemos mais de 800 exibições em sala de cinema e mais de 10 mil cópias do DVD foram enviadas. Demos uma volta à Itália durante um ano, e, no final da exibição, sempre havia gente que queria falar, debater o filme. Isso não é habitual na Itália, onde as pessoas têm uma espécie de repulsa de falar sobre os filmes, há até uma famosa cena do Nani Moretti que retrata essa situação. Por isso foi muito bom, porque, por um lado, demonstrou que tivemos uma ideia que foi ao encontro dos problemas das pessoas. O problema foi que nesses debates as pessoas perguntavam qual é a solução. Ora eu sou um realizador e não sei o que lhes dizer…Mas essa situação demonstrava que quem tinha a obrigação de encontrar as soluções não o fez… O que é um problema.

Que repercussão teve o filme noutros países? Estive na Suíça, e o filme, sem a minha presença, foi exibido na Bélgica, Holanda e França. E agora também em Portugal. E a resposta é sempre a mesma. As pessoas vêem o filme e dizem: “Isto é a realidade”.O que significa que a precariedade é um problema em toda a Europa. Temos os mesmos problemas e até os mesmos nomes, por exemplo a Manpower, e a forma como trata as pessoas, não como trabalhadores, mas no plano individual. Tratam-nas como “falhadas”, “fracassadas”.

Dizias há pouco que o tema da precariedade pode ser absorvido pelo sistema… O sistema quer tornar a precariedade numa coisa glamourosa, quer vender livros, ou camisas, ou até filmes. Assim, um problema torna-se parte do mercado global. Isso, para mim, é um problema. Temos de fazer um outro projecto para demonstrar que esta não é a solução, não somos apenas compradores, somos pessoas com problemas. (Entrevista de Jorge Costa e Luis Leiria). 

Uma resposta to “SÃO PRECÁRIO NA CREW HASSAN”

  1. Rute Says:

    É de facto triste que humanos façam programação de humanos, mas a precariedade é para quem a aceita como tal. Com criatividade e coragem, consegue-se transformar a semente em árvore. I believe it. And will smell that tree.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: